A Beleza na Sabedoria Madura
Sexta, 29 de Setembro de 2017

Ouvindo Learning to Fly- Pink Floyd

Num destes dias, um bip no celular, que já velhinho aguarda outra versão, mas que trabalha, num destes esforços para sobreviver na era pós-moderna, um vídeo enviado por bela pessoa, destas gentes que confirmam dito que nada é acaso, um pequeno vídeo com palavras sobre valorização da mulher enquanto construção e não apenas escultura mantida à base de sílica e outros que tais.

A fascinação do homem pela outra parte de sua costela, no conto que ouvimos quando ainda muito jovens parecido com o desejo de voar que embala este escrito e que a toda rabiscada, deixo a trilha sonora lá no início, é nesta balada com que escrevo, talvez possa perceber quem lê. Existiu um escritor famoso que, sempre que pode, fez eco para suas personagens, Balzac. Enaltecia a beleza da mulher madura e parece que o pessoal não teve este insight, ou nunca leu Balzac. Experimente, talvez descubra isso: “O instinto na mulher equivale à perspicácia nos grandes homens”, Honoré de Balzac.

Poeta que viveu em França (1799-1850) e enalteceu como poucos a incrível beleza e outros atributos da mulher madura, realmente é uma beleza diferente, só desvendada com observação, com tempo. Existem outros ditos de Balzac, muitos deles, mas parece que neste tempo, corpos esculturais sem riscos e desenhos do tempo andam tirando o sono de muitos. O espelho, quando não é de narciso, propõe muitas perguntas, algumas delas não são tão fáceis de fazer e responder. Tem uns e outros que escapam dele como o demo da cruz ou como político de transparência, pra ser mais moderno. A serenidade da maturidade faz com que a respiração não seja afobada. São como o desenho do rio que deixa na margem apenas as marcas desejadas e não o lanho de inundação. Por vezes faz falta falar isso, a valorização da mulher, da figura feminina em todas as fases deve vir bem balizada de casa. Quem não for filho de lero-lero sabe disso e, mesmo que não tenha filha, entenderão do riscado, outros, bem, para estes existem, por exemplo, a cadeira elétrica ou a bala cobrada.

Mas existe o outro lado da moeda, sempre tem. O crime é induzir a média, pela mídia, que o tempo não chega. Ele vem de uma forma inexorável, para todos, então se for inteligente o suficiente, entenderá que o que importa é o lado interno, as ideias, os princípios, a estrutura da pessoa. Com o passar do vento, toda natureza se modifica. Ventos levam areia nas dunas e grandes montes são transformados apenas pelo bafo quente da corrente. Da mesma forma, nossa imagem vai sendo alterada, talvez Balzac com sua bela pena tenha chamado atenção para tanto, especialmente para as Mulheres, com M. Estas com certeza têm algo a dizer, e não apenas voláteis sensos, onde a pele, embora mais esticada, mas menos suave. O toque, bem, o toque também foi descrito por ele, desta forma sensacional...

Da maciez de uma esponja molhada até a dureza de uma pedra-pomes, existem infinitas nuances. Eis o homem. Honoré de Balzac.

Leia mais, observe, a seda é tecida de uma forma diferente, seus fios são muito fortes e firmes.
 

Comentários