Esperança de repetir a supersafra
Sexta, 09 de Junho de 2017

O inverno se aproxima oficialmente dando mostras do que é capaz. Estamos acabando o outono com mais de duas semanas de chuvas contínuas e intensas, falta de sol e temperaturas relativamente altas para a época. São mais de 500 milímetros a partir do dia 1º de maio para cá. Uma situação climática que vem gerando desconforto em casa, na rua e para as lides do campo. Apesar de estarmos numa região de clima temperado e, portanto, sabedores das condições históricas das estações do outono/inverno, temos dificuldades para administrar esta situação de umidade contínua. Alguns agricultores não conseguiram colher a soja e o feijão tardio da safrinha, e o milho, apesar de ser um pouco mais resistente, também dá mostras que terá perdas consideráveis. Ainda na lista de atividades com prejuízos podemos citar a produção de leite, os hortigranjeiros, os cereais de inverno, entre os quais o trigo, que ainda há grande parte das lavouras para serem semeadas. Adversidades climáticas que os agricultores enfrentam e que os fragilizam não importando a condição. Os reflexos logo se manifestarão prejudicando o abastecimento e na elevação dos preços dos hortigranjeiros. A produção de leite também vem sendo afetada e terá impacto considerável, pois as pastagens não vingam com tanta umidade e dias sombrios. Estradas esburacadas, lavouras com erosão, áreas de baixada inundadas são outras situações que angustiam os agricultores. Logo agora que saímos de uma supersafra e se anuncia condições de novos recordes de produção. Por falar nisso, nesta semana o governo anunciou o Plano Safra repetindo o volume de recursos para os produtores. Importante o aporte e o tempo hábil para a liberação dos recursos para que o planejamento aconteça a contento. Para a Agricultura Familiar, o anúncio foi de R$ 30 bilhões com taxas de juros que vão de 2,5% a 5,5%. Além disso, foi anunciado o retorno do Crédito Fundiário com a elevação de R$ 80 mil para R$ 140 mil por produtor e prazo para pagamento até 25 anos. Outro ponto positivo foi a regulamentação da Lei da Agricultura Familiar que institui o Cadastro Nacional da Agricultura Familiar que dá acesso aos agricultores a todas as ações do governo, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Para o Plano Safra 2017/2018, destinado para a agricultura empresarial, o juro deverá ser reduzido em um ponto percentual, porém com menor tempo para pagamento. A novidade para esta categoria é a atenção especial para linhas de financiamento para armazenagem. Se de um lado as condições climáticas castigam os agricultores, de outro o setor mostra força conquistando e assegurando o crédito para custeio das atividades agropecuárias dando alento e esperança para empreender naquilo que o homem do campo sabe fazer: produzir alimento. Apesar das adversas condições climáticas e o conturbado cenário político e econômico brasileiro anuncia-se condições de uma nova supersafra. Indicativos que novamente o agronegócio será um dos principais setores que aquecerá a economia. Se dependerá do setor do agronegócio, isto se confirmará.

Comentários