Gestão do dinheiro público
Sexta, 09 de Junho de 2017

Bom dia mui amados leitores, por que será que o país das verdes matas ainda não é livre e nem desenvolvido?

Aprendiz: Mestre, o país viveu décadas de superávits na balança comercial, firmou o agronegócio como âncora de produtos de exportação, desenvolveu programas de incentivo para a agricultura familiar (responsável pelos principais alimentos consumidos pelos cidadãos), subsidiou indústrias, investiu na formação de milhares de profissionais altamente qualificados nas áreas da saúde, das engenharias, da educação, das ciências investiu e até gerou novas tecnologias, por que será que este país ainda não é o melhor do mundo?

Mestre: O assunto é bem amplo, mas para facilitar sintetizarei a análise em um ponto, o da gestão do dinheiro público (orçamento da União), ou seja, para onde vai parte do dinheiro que a União arrecadou dos cidadãos honestos do país. Vejamos: o Fundo partidário que inicialmente era de 309 milhões agora passou para 819 milhões (2017) para ser dividido entre os principais partidos; ou seja, o fundo partidário teve mais de 265% de aumento num ano de crise econômica e orçamentária, por outro lado houve redução no orçamento para investimentos nas áreas da saúde, educação, segurança pública, transporte, infraestruturas, cultura...

Aprendiz: Será que os partidos envolvidos nos escândalos de caixa 2 (propinas, lavagem de dinheiro, obras superfaturadas, mensalões, mesadas e aposentadorias ilícitas, etc) também possuem direito à verba orçamentária da União? Ou deixariam de recebê-las, supostamente, por transgredirem direta, indireta ou ideologicamente a Lei 9096/1995?

Mestre: Vejamos os gastos com a corrupção no país, segundo estimativa da ONU (2012), cerca de 200 bilhões por ano do orçamento (dinheiro para o bem público) são desviados da função original, os quais poderiam servir à construção de moradias, assim, em apenas dois anos todos os brasileiros teriam moradias gratuitas, ou melhor, pagas pelos próprios cidadãos através do recolhimento de impostos e tributos. 147 bilhões por ano, gasto com indenizações e pensões para familiares de trabalhadores devido a morte ou invalidez por violência, o que daria para construir 72,900 mil escolas, 2.700 a mais em cada estado e Distrito Federal. 56 bilhões por ano gastos em tratamentos hospitalares devido a graves lesões nas vítimas de violência no trânsito, de assaltos, crimes; valor que serviria para construir 66 novos hospitais em cada estado do país, incluindo o Distrito Federal (DF). E ainda, segundo a revista Época (2017) em revelação às operações da Lava-jato, estima-se que 8 trilhões de reais são desviados em movimentações financeiras ilegais, lavagem de dinheiro, propinas, falsas cobranças, etc. Com 8 trilhões, um excelente gestor poderia repassar cerca de 296 bilhões para cada estado e DF e ainda sobraria 1,5 trilhão. Seria possível construir um novo país, livre e desenvolvido, quiçá o melhor do mundo. Tenham uma ótima semana e que Deus ilumine vossas mentes e corações!

Comentários